terça-feira, 1 de outubro de 2013

Israel se prepara para iminente “Grande Terremoto”

Israel se prepara para iminente “Grande Terremoto”Israel se prepara para iminente "Grande Terremoto"
Após um estudo de três anos, realizado pelo Serviço Geológico de Israel, constatou que a Cidade Velha seria a região mais atingida caso ocorresse um forte terremoto em Jerusalém, pois foi construída sobre camadas de escombros, não sobre a rocha original. Amos Bein, diretor do centro, explicou que os pesquisadores usaram a tecnologia mais moderna existente para varrer a topografia de Jerusalém, analisando sua geologia, tipos de solos e o verdadeiro labirinto subterrâneo existente sob a Cidade Velha.
Obviamente, um sismo também causaria abalos políticos, pois está no centro do conflito entre israelenses e palestinos. Segundo o relatório, o principal ponto da devastação seria justamente o Monte do Templo, onde estão a mesquita de Al Aqsa e o Domo da Rocha.
O doutor Bein tem exortado os administradores da cidade há anos para identificar e reforçar as estruturas fracas. Ele explica que existem registros de apenas meia dúzia de grandes terremotos atingindo a cidade nos últimos mil anos. Os arqueólogos têm encontrado evidências disso.
O último grande sismo na área foi em 1927, com magnitude 6,3 perto de Jericó, cerca de 15 quilômetros a leste de Jerusalém. Curiosamente, foi o responsável por rachaduras no sudoeste da parede exterior da mesquita Al Aqsa e também na Igreja do Santo Sepulcro, construída em torno do local onde acredita-se que Jesus foi crucificado.
Para esses cientistas israelenses, outro grande terremoto deve atingir a Terra Santa nas próximas décadas. Este ano já ocorreram dois, mas de pouca intensidade. O principal motivo é que a cidade de Jerusalém fica no caminho do Grande Fenda do Vale, que se estende por 3.000 quilômetros, indo da Síria a Moçambique.
O Mar Morto na verdade é um lago situado no vale do rio Jordão por onde passa a “falha transformante do Mar Morto” que une a placa geológica da Arábia com a placa Africana. Essa falha passa pelo o vale do Armagedom e pelas muitas das colinas de Jerusalém, como o monte das Oliveiras.
O doutor Shmulik Marco, do Departamento de Geofísica e Ciências Planetárias da Universidade de Tel Aviv publicou em 2007 um estudo onde que a tradição judaica estava correta ao falar sobre um terremoto que partiria o Monte das Oliveiras literalmente ao meio.
Cerca de 70 km ao norte do Mar Morto, existe outra linha longitudinal de uma falha que corta o território israelense entre o porto de Haifa com as cidades de Jenin e Nablus, na Cisjordânia antes de chegar ao rio Jordão.
Em entrevista recente, o Dr. Ephraim Laor, do Comitê de Coordenação Nacional de Preparação para Terremotos, tem se dedicado a preparar os cidadãos de Israel para um grande terremoto que pode atingir o país nos próximos anos.
Em análises das lâminas de sedimentos preservadas pela hipersalinidade do Mar Morto, é possível detectar que ocorreu um grande terremoto por volta do ano 30, o que coincide com a cronologia bíblica.
Ao falar sobre sinais do fim do mundo, a Bíblia fala de terremoto(s) dividindo os montes de Jerusalém e de mudanças dramáticas nas condições de vida em Israel. A maioria dos teólogos apontam para as promessas da vinda do Messias em Zacarias 14:3-5Mateus 24 e Atos 1:9-12, que ocorreriam da maneira como a ciência agora está comprovando. Com informações Science Daily, Jerusalém Post, Israel National News, ICR e NBC News.

Nenhum comentário:

Postar um comentário