quarta-feira, 5 de junho de 2013

Pregação-Ação Social= Hipocrisia

Por Leonardo Gonçalves
Soteria não é apenas salvação metafísica, mas cura das doenças, da fome, do abandono. “O evangelho todo, para o homem todo” foi o brado de Lausanne, e a este grito eu também faço coro.
Dói dentro de mim ver o quanto a igreja de Cristo, que deveria ser sal e luz influenciando o mundo por meio das boas obras (palavras de Jesus), as quais foram preparadas por Deus de antemão para a observância dos santos (Ef 2.10), têm cedido a essa doença chamada consumismo, comercializando benesses divinas numa relação custo/benefício, enquanto milhares de pessoas vão dormir com o estômago vazio todos os dias.
“Dai-lhes vós de comer!”, disse Jesus. Por isso, muito mais que criticar o comunismo ou o capitalismo, convém que eu, enquanto igreja, alimente estes miseráveis. É disso que o profeta fala em Deuteronômio 15.5, e foi essa a recomendação que Paulo recebeu no primeiro concílio eclesiástico (Gl 2.10). Dicotomizar a missão da igreja (missão espiritual x missão social) só vai contribuir para o agravamento da miséria no mundo. O evangelho é integral!
Falar da missão social da igreja a uma sociedade “cristã” que reza todos os dias pela cartilha do capitalismo é uma missão difícil e árdua. A consciência evangélica, de um modo geral, está embotada para esta realidade, e só Deus pode despertá-la.
Há vários perigos que cercam a igreja. As heresias são um deles. O outro, muito mais sutil, é a ortodoxia em detrimento da ortopraxia, a crença politicamente correta que nada produz. Precisamos manter nosso coração livre de ambas se quisermos ser relevantes em nossa missão.
***
Postado por Leonardo Gonçalves, editor do Púlpito Cristão

Nenhum comentário:

Postar um comentário