quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Viúva condenada por esconder o corpo do marido morto durante 6 meses enquanto orava por ressurreição

Viúva condenada por esconder o corpo do marido morto durante 6 meses enquanto orava por ressurreição
Um caso de devoção incondicional terminou de uma maneira chocante: uma mulher evangélica foi acusada, julgada e sentenciada por manter o corpo de seu marido em um quarto mais de seis meses após sua morte enquanto ela e os filhos oravam por sua ressurreição.
O caso foi registrado na cidade de Hamilton, no Canadá, e só foi descoberto graças a uma ação de despejo. O xerife foi ao local com o mandado e enquanto inspecionava os cômodos, pediu à viúva que abrisse um quarto que estava “selado”.
Ao abrir a porta, o cheiro do corpo em decomposição chamou a atenção do xerife, que encontrou o corpo de Peter Wald irreconhecível, coberto por mantas presas com fitas a seu corpo.
De acordo com informações do Daily Mail, o processo de decomposição ocorrido ao longo de seis meses atraiu ratos, apesar de a viúva ter providenciado o fechamento das saídas de ar do cômodo e trancado portas e janelas para evitar que o cheiro do corpo se espalhasse para outros ambientes.
Kaling Wald, 50 anos, se declarou culpada no tribunal por não notificar as autoridades sobre a morte do marido, e afirmou que durante todo o tempo ela e os filhos oravam pela ressurreição do patriarca.
Peter Wald morreu aos 51 anos depois de ter infeccionado o pé esquerdo e se recusado a procurar um médico, pois acreditava que a oração seria suficiente para alcançar a cura. Como era portador de diabetes, a infecção se agravou e ele caiu em coma.
Durante o período em que ele estava inconsciente, Kaling chegou a dormir ao seu lado, mas dias depois notou que havia rigidez cadavérica, e então tomou a providência de “selar” o quarto e orar por sua ressurreição.
“É um caso extremamente triste… Ela realmente acreditava que seu marido seria ressuscitado dentre os mortos, mesmo depois de seis meses”, afirmou a subprocuradora Janet Booy.
A subprocuradora disse ainda que a devoção cristã de Kaling havia chegado a um ponto que “maculou e entortou seu melhor julgamento”, pois ela “orava diariamente para Peter voltar à vida”.
O Superior Tribunal de Justiça determinou uma pena suspensa a Kaling, ordenando-a que realize serviços comunitários durante 18 meses e procure aconselhamento. “Sua crença de que seu marido iria ressuscitar não é um problema. Isto não é sobre suas crenças religiosas. Trata-se de sua segurança, a segurança de seus filhos e a segurança da comunidade em geral”, disse o juiz  Marjoh Agro.
O site CBC relata que os proprietários do imóvel notaram uma mudança no comportamento da família na época em que Peter morreu. O vizinho Brian Dennis diz que viu a família dançando e cantando no quintal vestidos de preto, e também havia visto moscas na janela do quarto e pássaros bicando a tela.
Ele e sua esposa Brenda perguntaram a Kaling sobre a saúde de Peter, e ela limitou-se a responder que “ele estava nas mãos de Deus agora”. Apesar do susto, os vizinhos lamentaram não poder se despedir de Peter apropriadamente: “Ele consertava as bicicletas das crianças e cortava a grama dos vizinhos. Agora ninguém poderá dizer adeus a ele”, disse Brenda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário