segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Marina Silva pode filiar-se a partido evangélico se Rede Sustentabilidade não for registrado no prazo; Magno Malta é cotado como vice na eleição de 2014, diz revista

Marina Silva pode filiar-se a partido evangélico se Rede Sustentabilidade não for registrado no prazo; Magno Malta é cotado como vice na eleição de 2014, diz revista
A ex-senadora Marina Silva enfrenta um impasse em relação à sua candidatura para as próximas eleições presidenciais. As assinaturas coletadas para o registro do partido Rede Sustentabilidade no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) passam por conferência nos cartórios eleitorais, e o prazo final para que a corte do Tribunal aceite a fundação do partido é o dia 05 de outubro.
A equipe de Marina que trabalha na organização da Rede Sustentabilidade diz ter conseguido número muito superior às 491 mil assinaturas necessárias para fundar o partido, porém reclama que a conferência das rubricas tem sido feita de maneira lenta pela Justiça Eleitoral.
De acordo com informações da revista Veja, até agora os cartórios não chegaram a 400 mil assinaturas conferidas. Por medo de que o prazo para o registro não seja cumprido, a cúpula que auxilia Marina definiu o dia 21 de setembro como prazo para tomar a decisão de filiar-se ou não a um partido já existente e viabilizar a candidatura ao Planalto em 2014.
Marina Silva vem sendo apontada nas pesquisas de intenção de voto como a segunda colocada, sempre com mais de 20% e próxima à presidente Dilma Rousseff. Os assessores de Marina temem que se ela não for candidata em 2014, pode cair no esquecimento e não ter forças para disputar a eleição em 2018.
Em meados de agosto, a assessoria da Rede afirmou não trabalhar com a hipótese da não fundação do partido e que por isso não estariam cogitando a possibilidade de Marina procurar outro partido naquele momento, mas com a aproximação do fim do prazo e a alta rejeição de assinaturas, a alternativa mais cogitada para Marina seria ingressar no novato e pequeno Partido Ecológico Nacional (PEN), que além de ter como uma das bases políticas a preservação ambiental, é ligado e liderado pela Igreja Assembléia de Deus, denominação a qual pertence Marina. Como a pré-candidata tem criticado de forma incisiva os partidos tradicionais, essa opção seria a mais coerente, pois como o PEN foi registrado há pouco tempo, não tem a rejeição do eleitorado fiel a ela. Marina não pode concorrer a presidência se não estiver filiada a um partido registrado.
O presidente da sigla, Pastor Adilson Barroso, anunciou que trabalha para que a migração para o PEN aconteça: “Eu passo a presidência nacional do partido para ela e garanto a candidatura à Presidência do país”, afirmou.
Barroso chegou a sugerir um vice à chapa de Marina: o senador Magno Malta, que também é evangélico e atualmente é integrante do PR. De acordo com o presidente do PEN, Malta estaria se aproximando do seu partido e a mudança de legenda seria questão de tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário