quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Entrada da Globo no ‘evangelho-negócio’ começa a causar discórdias

Entrada da Globo no ‘evangelho-negócio’ começa a causar discórdias
A Globo sempre “primou” por um evangelho santo e genuíno. Isto fez com que a emissora optasse por inúmeras matérias, em suas mídias, de ‘ataques’ aos supostos exploradores do  bolso dos fiéis; agora, de olho no ‘din din‘ da crentaiada, abocanha cantores da música gospel e ataca em outra frente, por meio de sua Empresa Geo Eventos, com a tal Feira Internacional Cristã, que será realizada em 2013.
E, à medida que vai crescendo o número de evangélicos, os olhares mercadológicos vão crescendo cada vez mais, e nada nos surpreenderá se amanhã surgir mais uma nova igreja evangélica – Igreja da Promessa Global. Certamente conseguirá agregar muitos membros. Afinal, quem não gosta de uma promessa?
Querem saber o pior? Há muitos líderes evangélicos que já trabalham pela ‘santificação’ da Globo. Não na essência, mas na imagem (para muitos dos tais, isto já basta. Imagine a ‘bênção’ que não será para alguns destes líderes, em terem espaços para propagandearem seus produtos na vênus platina!).
Ressalta-se que mesmo a Globo investindo pesado para ‘apoderar-se’ dos evangélicos – e muita gente glorifica a Deus por isto – jamais deixará de propagar, por meio de seus programas de entretenimento, suas sórdidas e nocivas mensagens que colidem frontalmente com os princípios bíblicos.
Ao conversar com meu irmão, o pastor Rubens Teixeira, sobre mais esta estratégia da Globo, ele fez a seguinte citação, por sinal, bastante pertinente:
“Realmente do ponto de vista comercial a Globo pretende aplicar uma jogada de mestre: em uma ponta, com seus recursos, empenhou e empenha esforços em macular, desacreditar e estereotipar evangélicos e o evangelho de Cristo. Na outra ponta, busca auferir lucros advindos do bolso de evangélicos, oferecendo-lhes produtos de  consumo dos cristãos, e, certamente, utilizará esses recursos contra os próprios evangélicos aplicando-os nas redes editoriais de seus meios de comunicação. É o evangélico pagando o chicote para chicotear as suas costas, de suas famílias e de suas igrejas. A Globo que  criticou e ridicularizou dízimos e ofertas recolhidos nas igrejas, recursos destinados a evangelização, conseguiu uma maneira habilidosa de retirar recursos, dos próprios cristãos, para a desevangelização. Esta estratégia não surpreende: no passado, há alguns anos, e no passado recente, ela usou  líderes evangélicos ilustres e depois os descartou. Agora quer usar também o povo. Nosso mestre alertou: ‘sede prudentes como as serpentes e simples como as pombas’. Basta ouvi-lo”.
Conforme pode-se perceber nos reclames da EBF Comunicações, esta também já foi descartada.
Que se cuidem os líderes evangélicos que ora achegam-se à Globo!
O que muita gente precisa entender é que a Globo não está interessada no Evangelho de Cristo, mas somente nos evangélicos.
Surgem as arestas
Tal interesse tem criado algumas arestas. Enquanto o Festival Promessas começa a produzir animosidades com a empresa cristã EBF Comunicações, a Feira Internacional Cristã (a ser realizada pela Globo) poderá rivalizar com a ExpoCrista.
Há quem diga que a Feira ‘cristã’ da Globo causará abalos sísmicos na tradicional ExpoCristã, realizada anualmente em São Paulo.
Mercado é assim mesmo. Enquanto uns lucram, outros amargam prejuízo. O repugnante nessa questão é que perdedores e vencedores tentam passar a imagem de que estão a serviço da causa do Senhor. Balela!
Sobre o Festival Promessas – ‘culto’ da Globo, dirigido por Serginho Groisman – a EBF Comunicações lançou um comunicado onde relata a celeuma envolvendo a empresa e a Geo eventos/Globo Comunicação e Participações S.A.
EBF ‘introduziu’ o evangelho na Globo
No comunicado, a EBF diz que ter participado da concepção do Festival Promessas ‘com o intuito de abrir as portas da empresa GLOBO COMUNICAÇÃO para o evangelho de Cristo‘.
chororô
Segundo a empresa, ela “foi surpreendida por diversas ações da GEO Eventos, que vem oferecendo ao mercado propostas de um evento voltado ao público sem a concordância e participação da EBF, alijada do processo de maneira antiética e unilateral“.
O evangelho não traz discórdias, o ‘evangelho-negócio’, sim
Se a Globo quer ‘pregar’ o evangelho, com exclusividade, por que a EBF se diz alijada?
Ademais, ao encerrar sua nota, a EBF Comunicações enfatiza que está focada ‘na difusão do evangelho de Cristo’. Sendo assim, e sabendo que o ‘evangelho-negócio’ é o explícito interesse da Globo, por que  se sente atingida?
Parafraseando as palavras ditas por Pedro, em sua segunda epístola, podemos dizer:
‘E para aumentar a receita, a estratégia é investir no ‘evangelho-negócio’, com atitudes fingidas’.
Estamos nos tempos do fim.


Por 

Nenhum comentário:

Postar um comentário