segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Caio Fábio diz que deixou de ser evangélico para pregar o evangelho

Caio Fábio diz que deixou de ser evangélico para pregar o evangelhoCaio Fábio diz que deixou de ser evangélico para pregar o evangelho
Em seu programa na “Vem e Vê TV” Caio Fábio disse que não é mais evangélico e que escolheu deixar de ser, para poder seguir o Evangelho de Jesus e pregá-lo até mesmo para os evangélicos.
O vídeo postado na internet mostra o ex-reverendo presbiteriano dizendo que toma cerveja e gosta de vinho e licores. Sabendo que poderá ser criticado por essas declarações ele diz que a pessoa que se chocar com o fato dele tomar bebidas alcoólicas terá dois trabalhos: “um de ficar e outro de ‘desficar’”.
“A minha religião proíbe impor abstinência às pessoas como Paulo diz”, disse Caio Fábio. “Eu não sou evangélico, ao contrário, eu tive que deixar de ser evangélico para ser do Evangelho de Jesus”.
Ele lembra que já foi o ícone entre os evangélicos e que sempre era procurado para representá-los. “Chegou uma hora que eu concluí que para eu ser útil à Igreja eu precisava sair”.
Caio Fábio lembra que na época muitas pessoas não concordaram com a sua saída e que mesmo depois muitas denominações, incluindo a Presbiteriana, o convidaram para fazer parte e voltar a ser pastor evangélico.
Não querendo mais fazer parte do que ele chama de “cinismo”, Caio Fábio passou a escrever um glossário redefinindo palavras e termos que, em sua visão, os evangélicos fizeram perder o sentido.
Assista:

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Blogueira critica seguro de vida lançado pelo pastor Silas Malafaia: “É tudo business” "negócio"

Blogueira critica seguro de vida lançado pelo pastor Silas Malafaia: “É tudo business”
O lançamento de umseguro de vida voltado para evangélicos numa parceria da Associação Vitória em Cristo (AVEC) e a Zurich Seguros, está rendendo críticas diretas ao pastor Silas Malafaia.
A blogueira Vera Siqueira, esposa do pastor Paulo Siqueira, líder do Movimento pela Ética Evangélica Brasileira (MEEB), publicou um artigo analisando as características do produto oferecido e criticou a aura de “projeto social” dado ao seguro pelo pastor Malafaia.
“Realmente seria um sonho o Malafaia mudar seu discurso da Teologia da Prosperidade de um dia para o outro. Seria um sonho vê-lo desprendido dos bens materiais em favor do próximo. Seria um sonho vê-lo vivendo o verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo”, afirmou.
Segundo Vera, o Rede Abençoadora é apenas mais um produto, sem tantas vantagens para o público-alvo: “O tal seguro de vida do Malafaia cobre apenas morte acidental em transporte coletivo (50 mil) e morte acidental (25 mil). Se você adquirir o seguro e tiver morte natural, ou decorrente de uma doença que poderá adquirir com o passar dos anos, seus beneficiários não receberão nada. Ora, é muito mais fácil morrer de morte natural ou por doença do que por acidente!”, exclamou a blogueira.
Uma das características do Rede Abençoadora, o desconto em serviços, também foi questionada: “O tal seguro inédito do Malafaia prevê desconto em farmácias e desconto em procedimentos médicos (consulta e exames). Como o tal seguro tem como público-alvo as classes D e E (que andam de transporte coletivo, uma das coberturas), mesmo com desconto é meio difícil esse pessoal poder usufruir de consultas e exames pagos”, afirmou, fazendo referência ao fato que, em sua maioria, as pessoas de classe D e E utilizam os serviços médicos do Sistema Único de Saúde (SUS).
Um terceiro detalhe do seguro vendido pelo pastor Malafaia foi destacado por Vera Siqueira em seu artigo: “O tal seguro também tem cobertura residencial para incêndio, raio, explosão e implosão (50 mil). Ora, é sabido que seguro residencial é o mais barato possível, uma vez que as taxas de sinistro são baixíssimas. E como as coberturas anunciadas são as mais básicas possíveis, e esse tipo de seguro só cobre residências em alvenaria e que não estejam em reforma ou construção (e casa de pobre passa anos em reforma ou construção, até ser finalmente finalizada), muita gente que adquirir o tal seguro do Malafaia não poderá usufruir dessa cobertura, embora isso não tenha sido veiculado abertamente”, criticou.
“Muito triste ver essa sutil mistificação de um reles negócio entre empresários (Malafaia e a seguradora) para melhor vender entre os crentes mais humildes [...] O que mais me assusta é que a venda de seguros gospel é só a ponta do iceberg malafaiano. Lembram-se que tempos atrás esse pastor se vangloriava de vender seus produtos nas revistinhas do Avon, mas talvez por conta de ameaça de boicote por parte dos homossexuais a parceria foi rompida? Meses depois o Malafaia anunciou sua própria ‘avon gospel’” [...] O pior é que não podemos nem mais nos escandalizar com o Malafaia, afinal, meses atrás, ele mesmo disse na abertura da FIC (Feira Internacional Cristã) que tudo isso ‘é business’”, lamentou a blogueira.

Matéria da revista HardCore sobre a Igreja Bola de Neve causa revolta entre fiéis da denominação; Entenda

Matéria da revista HardCore sobre a Igreja Bola de Neve causa revolta entre fiéis da denominação; Entenda
A igreja Bola de Neve foi tema de uma ampla reportagem sobre suas origens, doutrina, linha teológica e crescimento nos últimos anos.
A revista Hard Core, especializada no público surfista, entrevistou o fundador, apóstolo Rina, membros, ex-membros e questionou: “Até que ponto é justificável uma religião que não representa todos os surfistas, nem suas ideologias, associar sua imagem ao estilo de vida do surf?”.
Escrita pelo jornalista Alexandre Versiani, a matéria diz que a igreja foi fundada para fugir “do estereótipo do ‘crente evangélico’”, e que “em dez anos, saltou de 150 para 60 mil fiéis”. Atualmente, a denominação possui “220 templos espalhados pelo Brasil e por países como Argentina, Peru, Chile, Uruguai, Paraguai, EUA (Los Angeles, Miami e Hawaii), Portugal, Inglaterra, Rússia, Austrália, Haiti, Bósnia e Moçambique”, explica Versiani.
O líder da denominação, apóstolo Rina, diz que esses números não são importantes: “Nunca fiz essa conta de medir, qualificar e quantificar. Não posso cair no erro de olhar para os frequentadores da igreja como um resultado ou um troféu. Isso tem que ser uma consequência natural de um trabalho”, argumenta.
Igreja de surfista?
“Quando a igreja começou, ela era exclusivamente surfista (sic). Não porque a gente resolveu que esse seria o nosso target, mas, como a maioria dos líderes praticava esporte, então nossos amigos e as pessoas que acabavam frequentando eram surfistas. Hoje ainda tem muita gente dessa área de esportes radicais”, explica Rina.
Arrecadações
O jornalista dedicou boa parte da matéria para falar sobre a arrecadação da igreja, entre dízimos e ofertas: “Não se sabe ao certo o quanto a Bola de Neve arrecada. Porém, um ex-presbítero (cargo abaixo do pastor) que trabalhou seis anos na igreja e prefere não se identificar afirma que a unidade no Rio de Janeiro ‘recolhia’ R$ 250 mil por mês e até R$ 1 milhão em São Paulo no ano de 2010”, escreveu Alexandre Versiani.
Segundo a matéria, a falta de transparência na igreja em relação às finanças tem afugentado fiéis. Versiani entrevistou um antigo frequentador da Bola de Neve que se queixou disso.
“Eu me apaixonei pela ‘visão’ da Bola. A proposta de levar o evangelho de uma forma mais descolada, com uma linguagem contextualizada me parecia bem familiar com o estilo do próprio Cristo de divulgar sua mensagem. Lá tinha gente como eu, no estereótipo e na história de vida. A diferença é que Cristo era transparente. Na Bola de Neve as aparências enganam”, reclamou Marcelo Comuna, 33 anos, que frequentou a denominação entre 2007 e 2009.
O autor da reportagem comenta em seu texto que, no momento de contribuição com dízimos e ofertas, “três enormes filas se formam. Ao centro, os fiéis que pagam em dinheiro. Nas laterais, um pouco mais discretamente, há a opção de doar no cartão de crédito ou débito”.
O líder da igreja rebate as críticas: “Meu papel é ensinar o princípio. Como uma igreja sobrevive? Ela não vende produtos, não tem ajuda do governo, de empresas. As obras sociais da igreja sobrevivem de quem faz parte dela. Você não vê na igreja, entre uma música e outra, uma propaganda no telão dizendo beba Coca-Cola ou compre Volkswagen”, justifica-se.
Linha teológica
“Outra crítica de pessoas que deixaram a Bola de Neve é a sua aproximação com o lado mais radical do neopentecostalismo. Durante congressos promovidos pela igreja com líderes de outras denominações, os membros mais próximos eram orientados a passar por exercícios de cura espiritual, parecidos com as sessões de descarrego. O skatista Thiago Marcone, que se formaria no curso de líderes de célula em São Paulo, relata que a cada seis meses era obrigado a repetir por horas frases como ‘eu peço perdão pelos meus pecados’, entre outras similares, com o objetivo de ser libertado de possessões demoníacas e malignas que poderiam estar agindo sobre ele”, afirmou Versiani na matéria.
O jornalista expôs o argumento da liderança da denominação para adotar tais práticas, que tinham “a intenção de oferecer a chance de membros e pastores da igreja conhecerem outras linhas neopentecostais”.
“A gente procura se relacionar, fazer ponte com gente de todas as linhas possíveis para não ficar parecido com uma seita. Mas não são esses caras que determinam o que a gente vive”, defende-se Rina.
A publicação da matéria gerou revolta entre alguns fiéis, que protestaram nas redes sociais contra a revista e o teor da reportagem assinada por Alexandre Versiani.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Carregando a frase “Jesus Salva” no carro, piloto brasileiro conquista vitória emocionante na Fórmula 3

Carregando a frase “Jesus Salva” no carro, piloto brasileiro conquista vitória emocionante na Fórmula 3
A 11ª etapa da Fórmula 3 britânica, competição conhecida por ser uma das mais tradicionais categorias de acesso à Fórmula 1, foi marcada pela vitória de um piloto brasileiro e pela mensagem de fé que ele carrega em seu carro. Carregando a já característica frase “Jesus Saves” (Jesus Salva) em seu carro, o piloto Felipe Guimarães garantiu uma emocionante vitória na última curva do circuito de Nurburbring, na Alemanha.
Pupilo do ex-piloto de Fórmula 1, Alex Dias Ribeiro, de quem herdou o costume de carregar a frase religiosa em seu carro, o brasiliense Guimarães, de 22 anos, dedicou sua vitória a Deus.
- Foi uma das melhores corridas da minha vida. Vim no limite do carro a cada curva, a cada volta. Dei o máximo de mim porque confiava que poderia vencer. Deus me abençoou muito. Só tenho a agradecer a Ele – afirmou Guimarães, comemorando sua segunda vitória na temporada.
Na corrida que foi considerada a mais emocionante desta temporada da F-3 inglesa, segundo o G1, o piloto brasileiro garantiu sua vitória com uma ultrapassagem na última curva da última volta sobre o australiano Spike Goddard. Pela manhã, o piloto já tinha subido ao pódio com o terceiro lugar na 10ª etapa, e agora ocupa a quarta posição no campeonato, com 103 pontos.
Apesar da vitória do piloto brasileiro, o britânico Jordan King garantiu o título da categoria com uma prova de antecipação.
A bela vitória de Felipe Guimarães foi comentada por seu mentor Alex Dias Ribeiro, quer ressaltou a atitude do pupilo em seguir seus passos levando a mensagem religiosa em seu carro. Guimarães leva sua fé também no capacete, com a frase “Jesus ama você”.
- A minha satisfação com a vitória do Felipe é imensa e a alegria e gratidão a Deus que nos ensinou o caminho. Esta vitória é a abertura de um novo ciclo de alguém que está me substituindo levando a palavra de Deus mundo afora através do automobilismo – comentou Ribeiro.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Pastores presos rejeitam negar a Cristo e convertem dezenas de muçulmanos na prisão

Apesar de torturas e perseguições, pastores presos rejeitam negar a Cristo e convertem dezenas de muçulmanos na prisão
Apesar de muitos pastores, missionários e cristãos estarem presos e incomunicáveis, alguns outros ainda podem contar sobre como estão vivendo na prisão. É o caso dos pastores Abdi Ali Hamzah e Saeed Abedini que apesar de torturas e maus tratos, não aceitam se converterem ao islamismo e com suas pregações na prisão conseguiriam ajudar a converter várias muçulmanos a Cristo.
Abdi Ali Hamzah, conhecido como pastor Jamal, havia sido condenado a cinco anos de prisão, por suspeita de trabalhar como espião para o Irã, país vizinho ao Iraque. Durante os 21 meses que esteve preso, Jamal pregou o Evangelho para seus colegas de prisão, e 28 deles se converteram, abandonando o islamismo. A decisão que o pôs em liberdade veio do presidente do país, que o concedeu um indulto, que na prática significa perdão das acusações, um fato inédito.
“Nunca tinha acontecido isso antes. É a primeira vez que o perdão é concedido a um muçulmano que se converteu ao cristianismo e, ainda no seu tempo de prisão, converteu a fé cristã outros muçulmanos na prisão. É inacreditável”, disse Terry Law, presidente da entidade World Compassion.  “Eu estava tão animado quando recebi o telefonema, que não podia acreditar nos meus ouvidos”, acrescentou.
A acusação feita contra Jamal se baseou em seu trabalho humanitário de distribuição de alimentos aos necessitados que viviam em aldeias de refugiados do Irã. Quando as autoridades descobriram que ele havia abandonado o islamismo e se tornado um cristão, o detiveram. “Nós fizemos uma entrega de comida nos campos de refugiados em 2010 e ele nos ajudou, e logo depois de deixar o Curdistão do Norte ficamos sabendo que o tinham levado preso”, relembrou Terry Law.
“Ele foi preso sem acusação por 14 meses. Durante esse período de tempo, eu tentei desesperadamente tirá-lo da cadeia”, afirmou Law, em entrevista ao The Christian Post. “Tínhamos também uma grande preocupação com o estado de saúde do pastor, pois ele já havia detectado um tumor e necessitava receber o tratamento médico”, complementou.
Os companheiros de missão do pastor Jamal chegaram a acreditar que sua saúde fragilizada não permitiria que ele resistisse muito tempo sem o tratamento: “Quando fomos visitá-lo, o diretor o deixou sair da cela dele. Ele estava animado em nos ver. Ele caiu de joelhos, e tinha fortes dores de cabeça. Pensamos que não suportaria”.
O envolvimento do senador norte-americano James M. Inhofe foi essencial para que as autoridades do caso revissem o trâmite e outros detalhes do processo. Com isso, numa reunião entre o ministro do interior iraquiano Karim Sanjari e o fundador da World Compassion, Terry Law, foram dados passos rumo à liberdade do pastor.
“Foi através do ato de coragem do presidente Masoud Barzani e o governo regional curdo, que o pastor Jamal foi perdoado e libertado da prisão”, disse a World Compassion em nota oficial.
Outro pastor que também sofre com a perseguição contra cristãos, é Saeed Abedini que está preso no irã. Segundo sua esposa, em palestra dada a alguns dias em uma universidade, apesar das torturas e tentativas de obriga-lo a se converter ao islamismo, Saeed não para de pregar a Palavra.
“Eles [justiça do Irã] lhe disseram muitas vezes que o libertariam-no e permitiriam que voltasse para a nossa família, as crianças e eu, se ele negasse sua fé em Cristo, e ele se manteve forte naquela prisão… Ele levou muitos, mais de 30 pessoas a Cristo, na prisão”, disse Naghmeh, esposa de Saeed, que completou afirmando que “agora é o momento de falar, de exortar o Irã a libertar o pastor Saeed”, conclamou ela.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

CRENTE OU CLIENTE?

otimo
É bastante comum encontrarmos dentro da literatura voltada para a liderança eclesiástica temas como: Aumentando a membresia da sua igreja, Como gerar crescimento na igreja, ou os 7 passos de uma igreja que se multiplica, etc., os dados estatísticos compravam que os livros mais vendidos e comercializados seguem este caráter e paradigma de conteúdo e proposta reflexiva. É evidente que o crescimento em todos os sentidos é importante e significativo, porém, é válido ressaltar que a missão da Igreja é de pregar as boas novas de salvação em Cristo Jesus, e jamais a fixação ou a obsessão em crescimento de números de membros ou adeptos religiosos.
Atualmente, dentre os diversos desafios que a Igreja contemporânea enfrenta se encontra o perigo da deturpação da verdadeira consciência do legado e missão da Igreja no mundo, uma vez que, sorrateiramente as leis do mercado parecem estar ditando o formato e o conteúdo da missão de alguns cristãos desavisados no século XXI.
Em síntese a lei do mercado ou do comércio baseia-se na relação entre o fornecedor e o cliente (ou consumidor), onde uma das máximas deste contexto diz que o cliente sempre tem a razão. Sendo assim, o fornecedor esta para servir e cumprir as expectativas e demandas daquele que paga pelo produto, a saber, o cliente.
Certa vez, ouvi um líder de uma grande igreja declarar: “Nós somos os fornecedores, Jesus é o produto e os pecadores os clientes”. Precisei prontamente discordar desta declaração que inicialmente tem um caráter inocente e até inovador. Discordei por quê?
- Primeiro porque o Evangelho não é um produto, mas uma pessoa – Cristo Jesus.
- Segundo porque a Igreja não é fornecedora de algum produto religioso, mas antes, é a noiva de Cristo Jesus que comunica a Sua graça infinita.
- Terceiro porque o pecador não é um cliente, mas um necessitado de arrependimento para perdão dos seus pecados e reconciliação com Deus.
É aterrorizante a possibilidade de que, para algumas lideranças cristãs o significado da missão da Igreja é semelhante ao mesmo significado do mercado capitalista e consumista do século XXI.
Certamente, deve ser por este motivo que algumas comunidades cristãs não pregam mais sobre o pecado, o juízo final, ou o confronto com o erro e o engano. Porque uma vez que, o pecador é uma espécie de cliente, ele agora precisa ser agradado, bajulado, e persuadido a continuar comprando uma religiosidade de mimos e agrados.
Porém, observamos que, Cristo Jesus jamais esteve em conluio ou alinhado ao espírito do mercado religioso de sua época. Cristo Jesus não pregava aquilo que agradava ou massageava o ego das pessoas, mas antes anunciava a verdade eterna de Deus –
“Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isto, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir?”(João 6.60)
Do mesmo modo, certamente a expectativa de Deus com relação a Sua Igreja é que anunciemos o evangelho puro e simples, jamais negando a verdade, ou se prostrando diante das recompensas imediatistas e passageiras do mercado religioso que sutilmente descaracteriza a verdadeira missão da Igreja de Cristo Jesus.

Israel pode substituir todo dinheiro do país por transações com chip

Israel pode substituir todo dinheiro do país por transações com chipIsrael pode substituir todo dinheiro do país por transações com chip
Duas semanas atrás, o governo de Israel anunciou a criação de uma comissão que irá estudar formas de eliminar o dinheiro circulando no país. Segundo foi anunciado, seria a melhor maneira de impedir os cidadãos de sonegar impostos. O comitê será presidido por Harel Locker, diretor do Escritório do Primeiro-Ministro.
O dinheiro de papel seria substituído por transações eletrônicas, feitas com cartões de chip. Com as novas tecnologias, os bancos podem controlar quanto as pessoas tem em suas contas e quanto podem retirar. As empresas de cartão atuais registram quanto as pessoas gastam mas o governo não tem controle.
Os membros do grupo de estudo incluem a Polícia Federal de Israel, a Autoridade Tributária, a  Autoridade Governamental de Lavagem de Dinheiro e Terror, o Banco Federal de Israel e funcionários da Procuradoria do Estado, entre outros.
O consenso é que o dinheiro como é atualmente usado permite que as pessoas usem subterfúgios para fugir dos impostos. Não há como rastrear muitas das transações feitas em cash e utilizando “laranjas”. Em uma economia sem dinheiro, todos os registros são eletrônicos, e os impostos seriam cobrados em tempo real. Para a economia do país é uma questão muito mais confiável, já que taxas administrativas sobre as transações eletrônicas são comuns em Israel.
Funcionários no gabinete do primeiro-ministro justificam: “em todo o mundo, sabe-se que o dinheiro é um elemento-chave da economia ilegal e da lavagem de dinheiro. Ele permite a existência de uma grande diferença entre os rendimentos relatados e real… Ao eliminar o dinheiro vivo, será possível ampliar a base de tributação e prevenir a lavagem de dinheiro”.
O comitê não estabeleceu um prazo para a decisão final, mas o tamanho do país pode colaborar para que seja rapidamente implantado. Cédulas e moedas representam menos de 10% da economia dos países da zona do Euro e de 7% nos EUA, segundo o Banco de Compensações Internacionais, organização que reúne os bancos centrais do mundo.
Ano passado, a Suécia anunciou que estava criando um sistema de economia totalmente digital, baseado em chips especiais para smartphones. Eles seriam acessados pelas impressões digitais, como o que já está presente na nova geração de iPhones.
Oscar Swartz, fundador do maior provedor de Internet da Suécia, diz que um dos problemas é justamente deixar um “rastro” das transações.  “A pessoa deve ser capaz de gastar seu dinheiro sem ser rastreado o tempo todo”, diz ele, levantando a questão da privacidade.
Mas esse exatamente é um dos argumentos dos governos para abdicar do papel-moeda, a capacidade de identificar de onde o dinheiro está saindo e para onde vai.
A Inglaterra já tem um sistema em fase de testes, que funciona tanto em lojas quanto para pagamento de ônibus.  Na Ásia, o sistema “payWave” já é popular e acabou com o tempo de espera para pagamento em lanchonetes, postos de gasolina e cinemas, por exemplo. Basta passar com seu cartão com chip perto do caixa eletrônico e clicar um botão concordando com o desconto do valor em sua conta.
A dificuldade, por enquanto, é unificar pagamentos via internet, cartões de crédito e dinheiro vivo. Uma unificação do sistema parece ser o único caminho, mas a questão central é quem controlará a emissão desse dinheiro virtual, elemento básico da economia de um país.
Os especialistas em profecias há muito indicam que o cumprimento de Apocalipse 13:16 viria pela substituição do dinheiro por algum sistema eletrônico e biométrico, entendido assim: “A todos, os pequenos e os grandes e os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte (testa), para que ninguém possa comprar ou vender, se não aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome”. Com informações Israel National News, Inquirer e Independent.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Meninas são enviadas a Síria pra promover a “guerra santa do sexo”

Meninas são enviadas a Síria pra promover a “guerra santa do sexo”Meninas são enviadas a Síria pra promover a "guerra santa do sexo"
A questão do sexo no islamismo é cercada de controvérsias. Em cada grupo islâmico é tratada de uma maneira, às vezes sendo até conflitante. Mas uma coisa é certa o Alcorão tem uma promessa: “A menor recompensa para os fieis, que chegam ao paraíso, é uma habitação, onde 80.000 servos e 72 esposas estão ao seu serviço. Essa habitação é decorada com pérolas, águas marinhas e rubis, numa extensão que vai de Al-Jabiyyat até Damasco”.
Enquanto ainda estão na terra, os jihadistas (defensores da guerra santa) que combatem na Síria decidiram realizar o que vem sendo chamado de “guerra santa do sexo”. O ministro do Interior da Tunísia, Lofti Ben Jedu, explicou que mulheres tunisianas são enviadas à Síria para ajudar a satisfazer as necessidades sexuais dos combatentes.
“Elas têm relações sexuais com 20, 30… até 100 jihadistas”, explicou o ministro durante a Assembleia Nacional. “Depois destas relações sexuais, feitas em nome da ‘jihad al nikah’ (“guerra santa do sexo”), voltam para casa grávidas”, relatou. Segundo a tradição isso é um motivo de orgulho, pois trata-se da “semente dos heróis”.
A prática da “jihad al nikah” não é nova. Desde os tempos de Maomé, se permite que muçulmanos tenham relações sexuais fora do casamento com várias pessoas. Para os líderes salafistas, que defendem uma volta às origens do islã, é uma forma legítima de guerrear.
Não se pode precisar quantos tunisianos foram enviados à Síria para lutar contra as tropas do presidente sírio Bashar al-Assad. O grupo dos “rebeldes”, como são chamados pela imprensa, é constituído de pessoas de várias nações. Da mesma forma, é desconhecido o número de mulheres que viajaram para lá com este objetivo, pois só a Tunísia admitiu a prática, que é disseminada em outros países islâmicos.
Em abril deste ano, o Sheikh Othman Battikh, uma das maiores autoridades religiosas daquela nação havia criticado a prática: “Meninas tunisianas estavam sendo recrutadas para viajar a Síria e oferecer serviços sexuais aos rebeldes… Pela Jihad, estão pressionando garotas para irem até a Síria. Meninas de 13 anos foram enviadas para fazer parte da jihad sexual. O que é isso? Isso se chama prostituição”. Seu desabafo lhe custou o cargo de Mufti, líder supremo.
No mês passado, foi divulgado pela imprensa internacional que alguns grupos afiliados aos terroristas da Al-Qaeda estavam usando menores de idade, que não poderiam ser reconhecidas porque seus rostos estavam sempre cobertos por véus. Com informações de NY Daily News.

Rock in Rio termina com grito de “o mal permanece para sempre”

Rock in Rio termina com grito de “o mal permanece para sempre”Rock in Rio termina com grito de "o mal permanece pra sempre"
Pastor dá seu testemunho a fãs de heavy metal
O grupo inglês de heavy metal Iron Maiden encerrou o festival Rock in Rio, que teve público total de 600 mil pessoas. Às 0h10 desta segundo, iniciou sua apresentação, que segundo o jornal Estado de São Paulo “parecia anunciar mesmo o Apocalipse”.
Na introdução surgiram imagens nos telões mostrando destruição de forças da natureza. Logo depois, apareceu Jesus Cristo em um crucifixo prestes a incendiar. O vocalista, Bruce Dickinson, instigava o público a cantar junto músicas conhecidas como “The number the beast”, cujo letra anuncia “Ai de vós, ó terra e mar/ Pois o demônio envia a besta com ódio/ Porque ele sabe que o tempo é curto/O ritual começou, o trabalho do satanás está feito/ 666, o número da besta/ Está havendo sacrifício esta noite”.
Durante mais de uma hora, a banda tocou acompanhada pelo seu famoso “mascote” Eddie, um morto-vivo que aparecia soltando fogo pelo crânio nos telões atrás do palco. Perto das duas da manhã, encerrou-se o Rock in Rio 2013 com o Iron Maiden anunciando na última música “O mal permanece para sempre/ O mal que os homens fazem permanece para sempre!/ Círculo de fogo, meu batismo de alegria parece terminar/ A sétima ovelha morta, o livro da vida está aberto diante de mim”.
Mas esse não foi o único momento de trevas no espetáculo. No final da noite de domingo, quem estava no palco era a banda Slayer. Segundo o site Globo.com “O inferno não é mais o mesmo, mas continua cozinhando como sempre. Sem o ídolos Jeff Hanneman (morto este ano), o Slayer aterrorizou os fãs no último dia de Rock in Rio neste domingo com o peso e a velocidade que se esperava”.
Entre as músicas mais conhecidas, estava “Disciple”, onde o vocalista grita “God hates us all” (Deus odeia a nós todos). O final da apresentação que teve o símbolo satanista do pentagrama no telão de fundo quase o tempo todo, foi com “Angel of Death”, que diz “Podre anjo da morte/ Voando livremente/ Monarca do reino dos mortos/ Infame sanguinário/ Anjo da morte”
Entre os presentes no Rock in Rio esses dias estava um pastor que pode contestar quem acredita que trata-se de algo inocente, apenas diversão musical. Ele sabe das implicações de se dedicar a esse tipo de invocação e o preço que elas trazem, pois quase teve sua vida destruída por elas.
Marcos Motolo, já foi considerado o maior fã do Iron Maiden no mundo, com 172 tatuagens. Ele estava no Rock in Rio para dar testemunho de sua transformação de rockeiro ateu em missionário. Ele traz em seu corpo inclusive o 666, em homenagem a canção “The number the beast”. Mas usa isso para pregar “Eu não acredito que nada que eu tenha venha me prejudicar de alguma forma. A Bíblia fala que nenhuma condenação existe quando a pessoa encontra Cristo. Por isso que você vê muito ex-matador, ex-traficante ou ex-roqueiro que vira pastor”. Conta ainda que 8 tatuagens já desapareceram sem cirurgia. Ele crê que as outras também sumirão. Em um de seus vídeos ele explica “Eu abro a Bíblia e Deus me revela o que aconteceu na vida de qualquer pessoa ali dentro… Desde minha conversão, o Senhor disse que ele ia me levar para os quatro cantos da Terra e, onde eu colocasse meus pés, as pessoas seriam transformadas pelo poder de Deus”.
Ele se converteu em 2005. Conheça seu testemunho

Com informações de Estadão e Globo.com

sábado, 21 de setembro de 2013

REFORMA EVANGÉLICA URGENTE!

Em um tempo em que ser evangélico tornou-se moda; onde ser protestante é não opor-se a quase nada e é ser igual a todo mundo; em que pregar o evangelho é difundir uma mensagem de tolerância ao pecado; onde o cultuar as modernas serpentes de metal é inocular a venenosa idolatria e contaminar a cada dia o moribundo perfil da igreja evangélica brasileira; em que instituições cambaleantes em seu egoísmo eclesiástico escandalizam a fé cristã e prendem a descrença os de fora por conta de roubos, crimes e fraudes. O que nos resta?
Estamos em uma democracia onde líderes religiosos outrora destacados se transformaram em imperadores de uma Roma eclesiástica em que ocorrem assassinatos ministeriais, armações de uma suja política eclesiástica, subornos vexatórios, perseguições por medo de não manter-se no poder e muitas ações judiciais. Previsões de cientistas políticos esperam que os evangélicos do Brasil sejam usados como massa de manobra e como palanque social para discursos conservadores apenas com intenções eleitoreiras. Frente a este triste panorama da igreja brasileira vem a pergunta: Estamos precisando também de uma reforma no protestantismo?
A resposta é muito mais ampla e complexa do que eu gostaria que fosse. Pois se concordarmos que sim seu detalhamento exigirá a derrubada de regimes e estruturas políticas e comerciais dentro da própria igreja cristã brasileira; precisará aniquilar o poder camaleônico das mentiras que enfraqueceram o valor teológico e bíblico da verdade; sistemas arcaicos de gestão terão que ser implodidos, coronéis e latifúndios eclesiológicos devem ser expulsos e invadidos pelo bom senso cristão. As fortalezas da impiedade com suas vestimentas de piedade há muito tempo imperam neste cristianismo. Mas, tal resposta precisa de um milagre de Deus para se expressar e se consolidar de fato na vida deste vacilante perfil evangélico do século XXI.
Nossa cultura cristã ocidentalizada desenvolveu um comportamento cômodo que repele protestos, que satisfaz o mundo gospel e que absorve o mundano para a igreja sem nenhum problema. Para a grande maioria está muito bom do modo que nos encontramos, e desviado está aquele que pensa o contrário. Crentes que são vítimas da própria letargia e falta de atitude de se posicionar por meio da Palavra de Deus. A falta de oração e de reflexão bíblica desenvolveu crentes que ouvem todas as vozes menos a de Deus. Essa insensibilidade espiritual não permite sentir que já passamos da hora de uma transformação para este cristianismo reformado e nada mudado!
O grande problema para a chegada de um avivamento para a igreja evangélica brasileira – e só isso pode reformar no melhor sentido da palavra – são as denominações de protestantes, crentes e evangélicos. Desculpem-me os irmãos, mas nenhuma denominação escapa dessa verdade – estão se omitindo da responsabilidade e ignorando a realidade escancarada da existência de uma pomposa igreja de Laodicéia com filiais e adeptos instalados em todos os nossos templos e reuniões. Falta-nos zelo pelas coisas de Deus, falta-nos prioridade para o Seu reino, falta-nos foco para o centro de sua vontade e isso cega e mata espiritualmente.
Combatamos a escarnecedora e licenciosa Laodicíea que extermina os bons costumes de crente salvo, que despreza a palavra e ojeriza santidade, que profana o sagrado, que constrói bases políticas entre pastores, que endeusa pregadores, que consagra a idolatria gospel, que glorifica cantores afortunados, que mercantiliza a fé, que converte o culto em modismos e as pregações em cismas de heresia. A reforma precisa começar com você, na sua família, na vizinhança, na igreja e em todos os seus relacionamentos. Seu protesto é contra um sistema de mentiras orquestrado pelo príncipe das trevas que muita das vezes tem seus ideais maléficos exemplificados dentro de nossas igrejas protestantes e evangélicas. Quero ver quem tem coragem para protestar!

PERIGOS DO SENSACIONALISMO MIDIÁTICO!

A maioria dos evangélicos tem buscado mais fofocas e notícias tendenciosas do que conteúdo relevante e edificante para suas vidas.
Há algum tempo tenho notado um comportamento preocupante sobre nós evangélicos. Nos tornamos consumidoresfreqüentes de notícias polêmicas e de fuxicos esdrúxulos que na maioria dos casos ignoram a veracidade dos fatos e comprometem a seriedade da função comunicativa da informação. Curtimos e apreciamos a publicação e veiculação de fatos distorcidos por propósitos escusos e comprometidos apenas em promover e alavancarem audiência, leitores e visitas para programas de TV, revistas, jornais e portais virtuais com o intuito de popularizarem domínios específicos.
A muito do que se falar atualmente sobre atuações dos veículos de comunicação como hábeis instrumentos de distorções factuais. Boa parte destes “canais de informação” promove notícias exageradas, consubstanciadas de parcialidades e espetacularizações; formatam alarmantes apresentações para contagiarem e envolverem um populacho que repudia cultura e que cultiva o frívolo para alimentar a estratégica e comercial indústria das futilidades midiáticas – a essa ação mal intencionada e propositalmente dirigida dá-se o nome de manipulação.  Para manter esse mercado que acessa, compra e assiste ao que “informa” ou apela ao sensacional, os experts da comunicação sabem que precisam lançar mão de artifícios dissolvidos em polêmicas, novas revelações e supostas descobertas para faturarem alto com este mercado de novidades vazias da verdade e carregado de segundas e más intenções.
O homem moderno não consegue mais notar o comum, o simples e o proveitoso. Sua atenção só é despertada pelo que está além dos limites da realidade diária – é carente de coisas espetaculares. A curiosa natureza humana tem comichão por novidades e o inimigo de nossas almas sabendo disso, busca de várias maneiras distorcer a nossa compreensão da verdade com seus adereços de mentiras e adornos de enganos. Satanás é o mentor destes canais de promulgação da mentira; ele é o regente de todas as ações que comprometem ou prejudicam o conhecimento da verdade. Abro um parêntesis para alertar que mesmo que este artigo não explore a "espiritualização do sensacional"; esclareço que pretendo em breve compartilhar um texto a respeito deste embuste religioso também presente dentro de muitas liturgias e ministrações de nossas igrejas.
Já foi provado que o destaque de escândalos e desgraças estampadas nas capas de revistas e jornais faz vender muito mais. A cobertura de catástrofes prende telespectadores a audiência de canais televisivos específicos. A exposição e especulação forçada de notícias controversas e “mexericos quentes” fazem saltar os índices de visitas únicas e visualizações de páginas de perfis sociais, blogs, sites e portais na web. Lidamos com notícias elaboradas pela maestria inconseqüente das chamadas imprensa amarela, marrom e rosa que são tendenciosas e especializadas na exposição do sensacional e do ridículo.
A internet revolucionou a forma de nos comunicarmos e recebermos informações e a preocupação de especialistas da área tecnológica é de como as pessoas tem acessado, absorvido e filtrado toda essa cosmo visão informativa. A proporcionalidade do volume de conteúdo virtual é ilimitada e sua acessibilidade tende a massificar todo esse “conhecimento” digitalizado. A estrutura lógica e programática do ciberespaço organiza, segmenta e entrega com precisão de caracteres a busca feita pelo mais recente e inexperiente internauta.
O problema é que os mecanismos de buscas não conseguem apurar a essência ou fazerem juízo dos resultados dos conteúdos apresentados. Segundo os especialistas é neste ponto que temos um perigoso risco social através da internet – das pessoas não se darem conta de que precisam filtrar as informações recebidas através da rede mundial de computadores para compartilharem com segurança aos outros. O risco de notícias forjadas tornarem-se virais na grande rede e comprometerem governos, desacreditarem instituições sérias, exporem ao ridículo pessoas inocentes e fomentarem intolerância religiosa ou ideológica, por exemplo, são grandes. É tempo de refletirmos sobre como temos tratado as informações que recebemos pelos meios de comunicação. O servo de Deus não deve se alienar do mundo, antes precisa estar "ligado" ao que acontece, mas de forma coerente, prudente e firmada na verdade. Precisamos comprovar a autenticidade da informação sempre que possível e assim erradicaremos os perigos da maldosa e quase sempre manipuladora mídia de exposição irresponsável.
O que mais me espanta é que a maioria dos evangélicos tem buscado mais fofocas e notícias tendenciosas do que conteúdo relevante e edificante para suas vidas. Muitos irmãos não param cinco minutos para lerem a Palavra de Deus ou desfrutarem de um estudo bíblico, mas ficam horas na frente de uma tela especulando sobre as últimas notícias da vida de seu ídolo da música gospel. Outros como detetives da vida alheia dedicam-se a vascular sobre a vida privada de pastores servos de Deus para expressarem comentários totalmente dispensáveis sobre eles. Não sou a favor da ignorância informativa, pois contra fatos comprovados não resistem argumentos; mas, sou contra a exposição e exploração suja desta mídia de espetacularização (dos quais muitos portais ditos cristãos fazem parte), que a serviço do mal denigrem a imagem de muitos justos e ventilam mentiras descabidas que dificilmente se desfarão depois de sensacionalizadas pelos meios de comunicação e aceitas por nós como verdades incontestáveis!
Postado por Silvio Costa

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Pastor Rick Warren fala pela primeira vez sobre o suicídio de seu filho caçula

Pastor Rick Warren e sua esposa falam pela primeira vez sobre o suicídio de seu filho caçula
O pastor Rick Warren, fundador da Saddleback Church e autor do best-seller ‘Uma Vida com Propósitos’, e sua esposa Kay concederam a primeira entrevista após amorte de seu filho Matthew, que cometeu suicídio no início de abril. Os líderes da Saddleback Church conversaram com Piers Morgan do canal CNN pela Semana Norte-Americana de Prevenção do Suicídio (8 a 14 de setembro).
Durante a entrevista, o casal comentou sobre sua escola de deixar a luta com a doença mental do filho fora dos holofotes da mídia em prol da dignidade de Matthew. O rapaz, de 27 anos, sofria de doença mental, segundo uma nota assinada pelo pastor na época de sua morte, que relatava que o filho sofria de depressão.
- Sempre soubemos que um dia seríamos porta-vozes sobre doenças mentais – afirmaram Rick e Kay.
- Estávamos sempre orando que ele seria curado milagrosamente por tratamento A, terapia B ou medicamentos, que iam ajudá-lo a gerenciar sua doença para o resto da sua vida, e, então, ele poderia contar sua história – completou o pastor, ao explicar o silêncio a respeito do assunto por muitos anos.
De acordo com o The Christian Post, o luto foi um dos temas abordados na entrevista, durante a qual o casal desabafou sobre sua dor e sofrimento, afirmando que vão contrariar as estatísticas de que quase um terço dos casais que perdem filhos acabam se divorciando. Segundo o pastor, ele está ainda mais próximo de sua mulher após a morte do filho.
- Luto é uma coisa boa, que é a maneira que temos através das transições da vida – refletiu Rick Warren, que também tratou do tema na série de pregações que iniciou no dia 27 de julho, data em que voltou a pregar após quatro meses longe do púlpito depois da morte de seu filho.
Durante a série de pregações, o pastor falou sobre as fases do luto: o choque, a tristeza, a luta, a entrega, a santificação, e, por fim, o serviço. A última pregação da série aconteceu essa semana, e foi intitulada: “Nunca perca a sua dor”.
Em seu sermão, o pastor disse à sua congregação que “a nossa mensagem mais profunda da vida, muitas vezes deixa a nossa dor mais profunda”. Ele disse ainda que Deus muitas vezes usa a dor para cumprir seus propósitos em nossas vidas.
- Eu posso suportar a dor, se eu vejo um propósito nisso – afirmou.
- Mas, infelizmente, a maioria das pessoas perde o seu sofrimento, não tira proveito de seus problemas e nunca aprende com suas perdas – completou o pastor em sua pregação.
De acordo com Warren, o maior e melhor uso da nossa dor é ajudar os outros. Assim, ele afirma, “não desperdice sua dor, deixe Deus te curar, eu reciclar, usá-lo para abençoar os outros. Use a dor como um modelo para a sua mensagem e testemunho no mundo”.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Lésbica Lanna Holder comenta prisão de ativistas gays que se beijaram durante culto: “Somos o alvo dos hipócritas de plantão”

Pastora Lésbica Lanna Holder comenta prisão de ativistas gays que se beijaram durante culto: “Somos o alvo dos hipócritas de plantão”
A pastora lésbica Lanna Holder, líder da “igreja inclusiva” Comunidade Cidade de Refúgio, emitiu uma nota através da sua assessoria de imprensa comentando a prisão de um casal de ativistas gays que se beijavam durante um culto ministrado pelo pastor Marco Feliciano (PSC-SP). Usando trechos a oração do “Pai Nosso”, Holder levantou um questionamento do que fazer quando são “atingidos pelo mal e sentimos que somos o alvo dos hipócritas de plantão”.
Afirmando que a única coisa a se fazer nesse caso é orar, a pastora diz que os gays são excluídos das “reuniões sagradas” de líderes evangélicos, mas afirma que esses líderes não pedem os excluir da paternidade divina. Ela afirma ainda que somente o dome de Deus “ensina a verdadeira santidade”, ressaltando que o diabo é religioso.
- Por isso leis são mudadas e beneficiados são os que buscam a integridade. Que a coragem de viver sem máscara alcance a todos, porque essa é a tua vontade, que todos sejam adoradores sem máscaras, afinal o Senhor ainda salva hipócritas! – ressalta a líder da Cidade de Refúgio, em seu pedido para que a vontade de Deus venha à terra.
Em sua oração, Lanna Holder pede ainda pelo “pão nosso de cada dia, a graça de cada dia, a igualdade de cada dia, o respeito de cada dia, e a verdade de cada dia”, ressaltando que o pão é um direito das minorias.
Ela também pede perdão pelos que são conduzidos pela “justiça própria a fazer justiça”, e completa: “Quando ofendemos com atitudes os que não nos aceitam e não respeitamos o seus espaços e opiniões. Quando querendo respeito não me dou o respeito. Quando acredito que eles precisam me aceitar, quando na realidade a Tua aceitação já me basta”.
A pastora segue sua nota, em forma de oração, pedindo para ser ensinada a amar os inimigos e para que seu amor não seja apenas uma explosão pentecostal de um hino ou sermão de sucesso” e afirmando que decidiu perdoar aqueles que os expõem publicamente.
- Tua é a glória e somente tua, mesmo quando somos movidos pelo narcisismo de a qualquer custo promover nossa imagem, a glória continua sendo tua – finaliza.
Leia a nota na íntegra:
Quando somos atingidos pelo mal e sentimos que somos o alvo dos hipócritas de plantão, a pergunta é: “O que devemos fazer?”
Permita-me responder: “NADA! É exatamente nesse momento que tudo o que devemos fazer é orar, e sem orações longas e cheias de argumentos, simplesmente orar, a oração que o Senhor Jesus nos ensinou.
“Pai nosso”, afinal ainda que nos excluam de suas reuniões sagradas não podem nos excluir da paternidade divina que nos é concedida pelo Senhor.
“Que estás no céu”, e do céu conheces a intimidade de todos os homens e não nos julgas apenas pelas nossas obras publicas, mas principalmente pelas encobertas e oculta aos olhos dos homens, mas patentes e reveladas diante dos teus olhos.
“Santificado seja o teu nome”, nome este que nos ensina a verdadeira santidade, afinal Tu és santo e o diabo religioso. Santidade esta que em nossas vidas é refletida através da tolerância, onde aprendemos a dar a outra face, a caminhar mais uma milha e se for necessário se dispor da própria túnica. Santidade está que em nós se faz em transformação de caráter, o que é a espinha dorsal da alma de todo homem integro.
“Venha a nós o teu Reino”, reino este que se manifesta em amor e graça, que até aos cachorrinhos que se sentem somente dignos das migalhas que caem da mesa fazes em honrados com o banquete da tua salvação!
“Seja feita a tua vontade aqui na terra como no céu!” , é do alto que vem o nosso socorro e em Ti temos posto os nossos olhos todos os dias, ainda que a vontade dos homens seja má e perversa continuamente, temos vivido a tua boa, perfeita e agradável vontade. Por isso leis são mudadas e beneficiados são os que buscam a integridade. Que a coragem de viver sem máscara alcance a todos, porque essa é a tua vontade, que todos sejam adoradores sem máscaras, afinal o Senhor ainda salva hipócritas!
“O pão nosso de cada dia dai-nos hoje”, o direito ao pão e não às migalhas. O direito à mesa e não à escoria, o direito de igualdade, o pão que é de direitos humanos e minorias, acerca da qual o Senhor representa com excelência única. O pão nosso de cada dia, a graça de cada dia, a igualdade de cada dia, o respeito de cada dia, a verdade de cada dia dai-nos hoje.
“Perdoai as nossas ofensas”, perdoai quando somos conduzidos pela nossa justiça própria a fazer justiça. Quando ofendemos com atitudes os que não nos aceitam e não respeitamos o seus espaços e opiniões. Quando querendo respeito não me dou o respeito. Quando acredito que eles precisam me aceitar, quando na realidade a Tua aceitação já me basta. PERDOA-NOS SENHOR!
“Assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”, me ensina a amar, Senhor, os que se fazem meus inimigos e que meu amor não seja apenas uma explosão pentecostal de um hino ou sermão de sucesso, mas que seja verdade. Me ensina Senhor a orar pelos que me perseguem, porque assim serei realmente filho Teu. Nós decidimos perdoar os que nos expõem publicamente, os que nos chamam de cachorrinhos em alto e bom som, perdoamos também aqueles que os aplaudem, perdoamos e decidimos amar, assim como amamos os assassinos, os pedófilos, as prostitutas, os drogados, afinal o Senhor também os ama, embora não concorde com seus atos. Eu sinceramente os perdoo Senhor!
“E não nos deixe cair em tentação”, não nos deixe cair na tentação de lançar a primeira pedra. Não nos deixe cair na tentação de fechar a porta do Reino de Deus para os outros, pois muitos do que o fazem nem entram e nem deixam os outros entrarem. Não nos deixe cair na tentação de explorar os humildes e disfarçar com longas orações. Não nos deixe cair na tentação de pregar uma palavra e viver outra. Não nos deixe cair na tentação de coar mosquitos e engolir camelos. Não nos deixe cair na tentação de sermos como sepulcro caiados, bonitos por fora, mas cheios de ossos podres por dentro. Não nos deixe cair na tentação de buscar justiça própria, porque é o Senhor quem nos justifica.
“Mas livra-nos do mal”, livra-nos Senhor dos que buscam uma oportunidade para destruir a nossa alma. Livra-nos dos que temem aos homens e não ao Senhor. Livra-nos dos que tudo que fazem é para ser visto pelos outros. Livra-nos dos que gostam de ser cumprimentados com respeito nas praças e de ser chamados de “mestre”. Livra-nos de nos converter a essas “religiões” que fazem dos homens duas vezes mais merecedores do inferno. Livra-nos de todo o mal!
“Pois teu é o Reino, o poder e a glória, para sempre. Amém!”, Teu é o Reino e lá só entra quem tu queres, por isso naquele dia muitos dirão que em Teu nome pregaram, profetizaram, curaram, fizeram prodígios e maravilhas, mas lamentavelmente não entraram. Tenha misericórdia deles Senhor. Teu é o poder, o poder de levantar o abatido e de abater o exaltado. Tua é a glória e somente tua, mesmo quando somos movidos pelo narcisismo de a qualquer custo promover nossa imagem, a glória continua sendo tua. Para sempre, e para todo o sempre e sempre e que os céus e a terra digam AMÉM!