terça-feira, 16 de julho de 2013

A Vacina Contra a Hepatite B é Realmente Segura?


Enquanto o Ministério da Saúde amplia novamente a faixa etária de pessoas que devem ser vacinadas contra a Hepatite B, diversas evidências de seus riscos são ignoradas. Esta ampliação vem aumentando nos últimos anos. Em 2009 a idade limite aumentou de 24 para 29 anos, e agora (2013) esta idade limite aumentou para 49 anos.

Para uma vacinação "preventiva", a quantidade de complicações associadas à vacinação contra hepatite B são chocantes. Na verdade, uma série de estudos peer-reviewed (revisados por outros cientistas) encontraram uma relação entre a vacinação contra hepatite B e mortalidade infantil, tanto nos EUA como na Europa. Com ligações com a síndrome da morte súbita infantil (SMSI), esclerose múltipla, e inúmeras doenças auto-imunes crônicas, alguns médicos estão se manifestando contra os perigos da vacina contra a hepatite B.

O debate sobre os perigos da vacina contra a hepatite B pode de fato ter chegado ao fim, de acordo com um processo judicial nos EUA. Em um caso em que o tribunal decidiu em favor do autor, que tinha desenvolvido lúpus eritematoso sistêmico como resultado de receber a vacina contra a hepatite B, o governo dos EUA foi forçado a admitir que a vacina levou ao desenvolvimento da doença. O autor da ação morreu antes da decisão ser tomada, foi um marco na luta para descobrir a verdade sobre a injeção da Hepatite B. O Tribunal dos Estados Unidos de Processos Federais informou:


"Tambra Harris ... entrou com uma petição para compensação, alegando que ela sofreu algumas lesões como resultado de receber a vacinação. Entre os danos que a requerente alegou ter sofrido como resultado de receber a vacinação contra hepatite B estava um lúpus eritematoso sistêmico (LES) ... A quantia de 475 mil dólares na forma de um cheque nominal à requerente administradora do espólio de Tambra Harris".

A Dra. Jane Orient da Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos (AAPS) testemunhou ao Congresso sobre os perigos graves de saúde associados com a inoculação da hepatite B, afirmando: "Para a maioria das crianças, o risco de uma reação vacinal grave pode ser 100 vezes maior do que o risco de hepatite B."

Com um pouco de pesquisa sobre a transmissão de hepatite B, a vacinação de hepatite B apoiadas pelo governo parece ainda mais desnecessariamente arriscada. Hepatite B é uma infecção viral que atinge principalmente o fígado, e é transmitida através do contato direto com fluidos corporais - principalmente sangue e sêmen. 

A Hepatite B é transmitida principalmente através de escolhas de estilo de vida, como sexo sem proteção ou uso de drogas intravenosas envolvendo agulhas compartilhadas. Estas não são condições que dizem respeito aos recém-nascidos, ou talvez a maioria das pessoas. 

Devido à decisão estranha para vacinar recém-nascidos contra a hepatite B e uma série de outros fatores, as pessoas têm por anos questionado a segurança e a eficácia da vacinação contra hepatite B. O O Centro Nacional de Informação Sobre Vacinas (sigla em inglês- NVIC) informou na década de 90, depois que o governo americano começou a promover o uso das vacinas de hepatite B:

"Em números crescentes, pais de todo o país estão entrando em contato com o Centro Nacional de Informações de Vacinas (NVIC) para denunciar oposição à regulamentação a ser decretada por funcionários do departamento de saúde do estado, que exigem legalmente que as crianças sejam injetadas com três doses de vacina contra a hepatite B, antes de serem autorizadas a participar de creches, jardins de infância, escolas primárias, escolas ou faculdades. 

Ao mesmo tempo, quanto mais escolas e empregadores cederem à pressão das autoridades de saúde do governo e exigirem que as pessoas mostrem provas de terem sido injetados com a vacina contra hepatite B antes de serem autorizadas a terem uma educação ou um trabalho, relatos de graves problemas de saúde após a vacinação contra hepatite B seja ainda mais perigosa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário